blogdosperrusi
TorcedorCoral
DOCE TETÉ*

DOCE TETÉ*

out 02

Lembro do cheiro pela casa
Impregnando as paredes de taipa
O chão de barro batido
Parecia vestido de rica cerâmica
O café me chegava tão doce
Como eram doces os sentimentos teus
E eu dizia satisfeita:
“É o melhor café que alguém já me deu”.
Café
Que pendia no pé da porta da tua casa
Café
Pilava pilava…
Preto como tu
Para uma branca como eu.
Acho que tenho a alma preta, Teté
Acho que ela foi pintada por ti
Enquanto eu tomava café
Enquanto tomavas conta de mim

(E mamãe nem percebeu
Foste esperta: nem ela nem eu).

Hoje tenho a negritude
Que nem o candeeiro conseguia espantar
Tenho a escuridão
Que graças a tua mão eu conseguia acalmar
Negritude, Teté
Que um dia, sem sucesso, a lepra te quis roubar
Negritude sadia
Quente, leve, destemida
Assim como teu café
Forte, doce…do pé.
Deste ficou o sabor
Guardado na minha lembrança
E de ti, a minha crença
Que tenho com emoção
De que a tua negritude
Está passada e registrada
Pintada no meu coração.
*Escrito em 10 de novembro de 2003.

2 comentários

  1. Ana Monte NEGRO
    1

    Lindo.as marcas da negritude em tua alma é de uma elevação de justiça, coerência e muito amor. Ah..Tetê…quantos ensinamentos deixasse.

  2. Wellington Alcantara
    2

    Que texto legal Magna, agradeço por ter compartilhado comigo. Sempre que tiver novidades, lembre-se de me enviar. Sucesso Wellington

Plante a sua semente

InscritosEmPedra