blogdosperrusi
DimasLins
BRISA

BRISA

mai 01

Hoje senti uma paz inominável
De que não quero viver em ti
Não quero
Pasmem todos os corações
Praguejem todas as amigas
Não quero mais
E não sei explicar o que aconteceu
Talvez o silêncio que me fala
Talvez a dúvida que me dá certeza
De que não és mais

Teu tempo passou em mim

Uma paz…
Como a sementeira que só despeja a semente
Para dias futuros nascer
Como a gota humilde que cai da chuva
Em noite de inverno
Como a mãe que se despede da cria
Sabendo-se apenas mãe
Não amor eterno

Fui
Passou
Meio que deixando rastro
Pegadas ainda fortes
Pistas de algo ainda fresco
Ainda perto

Passou

2 comentários

  1. Tadeu Rocha
    1

    Magna, belo poema de "desabraço". A dúvida muitas vezes é fuga de uma certeza que nos amedronta. Mas neste poema todos os medos são enfrentados. E a paz surge como uma doce brisa. Ponto final.

  2. Magna Santos
    2

    De fato, Tadeu, ponto final. O qual vem depois de algumas interrogações. Inevitável a paz, graças a Deus.
    Obrigada, amigo.
    Abração!
    Magna

Plante a sua semente

TorcedorCoral