InscritosEmPedra
TorcedorCoral
SILENCIOSO

SILENCIOSO

jul 01

Liguei para o poeta Não atendeu. Silencioso Como quem escreve uma tese Que ainda não sabe Demora a saber… Só sei que ressuscita de tempos em tempos Como se nada tivesse acontecido Ou tudo Quem sabe? E volta a inscrever Seus versos certeiros Sedutores Flerta com todas as palavras Adere Quando vê uma exclamação Que não usa Mas adere … Em nome da vírgula Da interrogação. Para...

ABSTINÊNCIA

ABSTINÊNCIA

jun 27

O que é esta falta Esta agonia que dá Esta ânsia por palavras Pelo silêncio derradeiro Que me faz acompanhada E protegida do abandono? O que é que se faz Com este aperto no peito Este sentimento Ao mesmo tempo intenso Embora louco Sem nexo Nem sentido Sentindo… Até quando? Quarenta e um anos de vida E este embaraço Retrato De minhas canções loucas Com letras lamuriosas Românticas,...

ENTRE FOGOS E PIPOCAS

ENTRE FOGOS E PIPOCAS

jun 26

Os fogos estouram lá fora, já se foi o São João, mas o barulho ainda persiste, contrastando com uma cidade deserta, quase fantasma se não fosse pela nossa própria presença. O cinema também descarta o deserto e assistir a uma película depois de um convite adolescente é algo assim de Deus. O último foi Avatar, quando o 3D me fez espantar um mosquito que achava estar no meu nariz. Risos...

PRIMEIRO ENCONTRO

PRIMEIRO ENCONTRO

jun 19

Sentou-se à minha frente Como quem espera um acontecimento Desafiou-me a pensar Responder… E eu fiquei gaguejantemente Nervosa Presente Nas minhas próprias faltas Sonhei com uma bolsa Insistentemente bagunçada Igual a vida - Repara na tua bolsa Reparei … E saí reparada - Em ponto de bala Até a próxima vez.

ENTRE UMA NOTA E UM PASSO

ENTRE UMA NOTA E UM PASSO

jun 12

Teve algumas frustrações na vida, mas as primeiras contáveis foram marcantes, as incontáveis também, claro. Aos cinco anos, já sabia o que era seca ao fitar os olhares fatigados dos familiares, mas agarrada à chupeta pensava: “como existe alguém capaz de viver sem um consolo*, meu Deus!”. Para ela, era algo inimaginável. Como era também surreal, uma menina, num pé de serra,...

DIA DESSE

DIA DESSE

jun 06

Um dia desse ele estava correndo pela casa Assombrando a irmã com ares de atacante Um dia desse salvávamos o mundo Dos destruidores contumazes e sanguinolentos Um dia desse pensei que ele fosse imune A arranhões Escorregões E machucados Pensei que ele era feito de aço Com minha mente de vidro… Precisava O tempo mostrou os ossos e a carne A cuca pesada e a leveza necessária Mas dia...

ZERO

ZERO

mai 30

Zero é nada E mais um pouco Ou o tudo calado É o improdutivo Ou produtivo Desdenhado Zero de comentários… Zero bronca Silêncio que afeta de acordo com o dia E o substantivo vira verbo: Zerei tudoSó não zero o calendário.

PERCURSO

PERCURSO

mai 23

Estudo a sonoridade primordial Aquela que identifica sussurros, choros, sorrisos… Um Eu inteiro Inteiro? Estudo a melancolia das ruas Contida em quatro paredes E um coração Estudo o encanto Que se instala sorrateiro Quando se compreende Se enxerga O até então ofuscado Pelas pupilas dilatadas do medo Estudo Enquanto não posso mudar o destino… Ao menos assim Terei passado o...

APELO À CHUVA

APELO À CHUVA

mai 19

Fui acostumada, quando criança, a te esperar com ansiedade, te festejar com alegria, sapateando nas poças que fazias no meu quintal. Corria atrás de bicas para aflição de uma mãe cuidadosa, que temia uma gripe na filha pequena.Com tua chegada, meus tios sorriam, porque era certeza de colheita farta e mesa abastecida. Eras, portanto, bem-aventurança. Hoje, longe do meu torrão e já...

REMOTO CONTROLE

REMOTO CONTROLE

mai 09

Muitos nessa altura buzinam anunciando o time vencedor. Ela, que acaba de ler o Poema em Linha Reta do Pessoa, não se identifica com o buzinaço, nem tampouco com o silêncio dos derrotados. Não se identifica com esse gosto pela disputa, embora, muitas vezes, se comporte como uma briguenta contumaz. Ah, se soubessem do aperto que sente no peito, certamente teriam piedade dela. A raiva indigesta...

Página 8 de 16« Primeira...678910...Última »